Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Falta Pão

Olá Pessoal, tudo bem com vocês?

Ontem, em um relance assistindo TV passando por vários canais, parei em um que não recordo bem por algo que me chamou a atenção. A reportagem consistia em uma pessoa famosa, caracterizada de mendigo, pedindo na rua por comida e remédio. Até aí ok, sem problema algum, nada de anormal. Mas em um determinado momento ela abordou um desses “pregadores do evangelho” que ficam com seus microfones  e caixas amplificadas praça a fora nesse Brasil todo.

– Moço o senhor poderia me dar um pão, estou com fome!

– Por acaso eu sou padeiro para te dar pão?

– Mas, o senhor não está falando de Deus, do amor dele?

– Quem lhe disse que por estar falando de Deus eu tenho a obrigação de lhe dar pão?

 

Obviamente isso não pode ser generalizado, não tenho dúvida que casos assim são isolados. Mas, me lembro de Jesus quando dizia;

“porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes;  estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me”. Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?  Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos?

Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te?

“E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes.” Mateus 25.35-45

Relacionar-se com Deus e não preocupar-se com o próximo em nenhuma instancia, acredito ser o mais elevado índice de demagogia de um cristão. Quero parafrasear uma frase de Carlinhos Queiroz que diz;

“A falta de pão na mesa do pobre pode ser uma denúncia da falta de espiritualidade no altar dos cristãos.”

Reconhece que a responsabilidade das diferenças sociais tem inúmeros fatores, politico e tantos outros. Mas como igreja que recebeu dos céus o batismo do amor, a manifestação do amor e não se tornar relevante e se compadecer dos que perecem soa até irônico.

Pai Nosso é a oração pelo pão de cada dia do outro. É a oração que muda a concepção fundiária e subverte a noção de rede ou posse dos bens. Portanto, é muito mais do que um jeito de orar  – é, de fato uma maneira de se viver. Preciso viver motivado pela sensibilidade e compaixão em repartir o pão dos céus e o pão da terra.

O número de cristãos cresce nessa nação alinhada ao assustador índice de pobreza, fome e violência. Vamos gastar tempo, parando um pouco fazendo uma viagem pra dentro de nós, refletindo sobre a falta da espiritualidade em nosso altar.

Think about!

Abraços

Fabrício Tarles.

Entre e receba as notícias do dia

Entre e receba as notícias do dia

VEJA MAIS +

DESCULPE,

MAS ESSE LOTE ESTÁ ESGOTADO!